19 de setembro de 2017

UM DIA VOCÊ APRENDE... WILLIAM SHAKESPEARE.

 
 
(CLICAR NA IMAGEM PARA ASSISTIR AO VÍDEO)

 

OU CLICAR NO LINK:
https://www.youtube.com/watch?v=LhSmVWBKDRY&t=25s




 
 
 
Um Dia Você Aprende que...  William Shakespeare
 


Depois de algum tempo você aprende a diferença, a sutil diferença entre dar a mão e acorrentar uma alma. E você aprende que amar não significa apoiar-se. E que companhia nem sempre significa segurança. Começa a aprender que beijos não são contratos e que presentes não são promessas.

Começa a aceitar suas derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante, com a graça de um adulto e não com a tristeza de uma criança.

Aprende a construir todas as suas estradas no hoje, porque o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, e o futuro tem o costume de cair em meio ao vão.

Depois de um tempo você aprende que o sol queima se ficar exposto por muito tempo.
E aprende que, não importa o quanto você se importe, algumas pessoas simplesmente não se importam…

E aceita que não importa quão boa seja uma pessoa, ela vai feri-lo de vez em quando e você precisa perdoá-la por isso. Aprende que falar pode aliviar dores emocionais.

Descobre que se leva anos para construir confiança e apenas segundos para destruí-la…
E que você pode fazer coisas em um instante das quais se arrependerá pelo resto da vida. Aprende que verdadeiras amizades continuam a crescer mesmo a longas distâncias.

E o que importa não é o que você tem na vida, mas quem você tem na vida.
E que bons amigos são a família que nos permitiram escolher.

Aprende que não temos de mudar de amigos se compreendemos que os amigos mudam…
Percebe que seu melhor amigo e você podem fazer qualquer coisa, ou nada, e terem bons momentos juntos. Descobre que as pessoas com quem você mais se importa na vida são tomadas de você muito depressa… por isso sempre devemos deixar as pessoas que amamos com palavras amorosas; pode ser a última vez que as vejamos. Aprende que as circunstâncias e os ambientes têm influência sobre nós, mas nós somos responsáveis por nós mesmos. Começa a aprender que não se deve comparar com os outros, mas com o melhor que pode ser.

Descobre que se leva muito tempo para se tornar a pessoa que quer ser, e que o tempo é curto.
Aprende que não importa onde já chegou, mas para onde está indo… mas, se você não sabe para onde está indo, qualquer caminho serve.

Aprende que, ou você controla seus atos, ou eles o controlarão… e que ser flexível não significa ser fraco, ou não ter personalidade, pois não importa quão delicada e frágil seja uma situação, sempre existem, pelo menos, dois lados. Aprende que heróis são pessoas que fizeram o que era necessário fazer, enfrentando as consequências. Aprende que paciência requer muita prática.

Descobre que algumas vezes a pessoa que você espera que o chute quando você cai é uma das poucas que o ajudam a levantar-se. Aprende que maturidade tem mais a ver com os tipos de experiência que se teve e o que você aprendeu com elas do que com quantos aniversários você celebrou. Aprende que há mais dos seus pais em você do que você supunha.

Aprende que nunca se deve dizer a uma criança que sonhos são bobagens…
Poucas coisas são tão humilhantes e seria uma tragédia se ela acreditasse nisso.


Aprende que quando está com raiva tem o direito de estar com raiva, mas isso não te dá o direito de ser cruel. Descobre que só porque alguém não o ama do jeito que você quer que ame não significa que esse alguém não o ama com tudo o que pode, pois existem pessoas que nos amam, mas simplesmente não sabem como demonstrar ou viver isso.

Aprende que nem sempre é suficiente ser perdoado por alguém…
Algumas vezes você tem de aprender a perdoar a si mesmo.
Aprende que com a mesma severidade com que julga, você será em algum momento condenado.
Aprende que não importa em quantos pedaços seu coração foi partido, o mundo não pára para que você o conserte. Aprende que o tempo não é algo que possa voltar.

Portanto, plante seu jardim e decore sua alma, em vez de esperar que alguém lhe traga flores.

E você aprende que realmente pode suportar… que realmente é forte, e que pode ir muito mais longe depois de pensar que não se pode mais. E que realmente a vida tem valor e que você tem valor diante da vida! Nossas dádivas são traidoras e nos fazem perder o bem que poderíamos conquistar se não fosse o medo de tentar.







SÃO JANUÁRIO O SANTO CATÓLICO BONDOSO E SÁBIO É CELEBRADO EM 19 DE SETEMBRO.


 
 
 

 
 
 
 
 
São Januário,  viveu no final do terceiro século. Januário chamava-se Prócolo e pertencia à família patrícia dos Ianuarii. Ainda jovem, graças às suas atitudes de fé e caridade, foi nomeado Bispo da cidade de Benevento, vizinha de Nápoles, da qual se tornou patrono. Ele é venerado como santo e mártir tanto pela Igreja Católica Romana como pelas Igrejas Católicas Ortodoxas.
 

Perseguição e morte

 
Naquele tempo, quando a Igreja e os cristãos eram perseguidos pelo império romano por causa de sua fé em Jesus Cristo, Januário estava preparado para o martírio. A palavra mártir vem do grego e quer dizer testemunha. Assim, Januário preparava-se para testemunhar seu amor a Jesus Cristo com a própria vida se fosse preciso. Como Bispo, ele foi um homem zeloso, conhecido pela grande bondade e pela sabedoria. Mas, então, como previsível, ele foi preso pelas forças romanas.
 
 
No ano 304, o imperador romano Diocleciano desencadeou a última e também a mais violenta perseguição contra a Igreja. São Januário foi jogado, juntamente com seus diáconos, na arena da pequena cidade Pozzuoli. A arena, claro, estava cheia de leões famintos. O povo que assistia ao espetáculo espera ansiosamente por ver o sangue dos cristãos derramado pelos leões. Todavia, ao se aproximarem do grupo, os animais ficaram dóceis e passaram a lamber os pés do Santo.
Acontecera como a Daniel, o profeta. As feras não os atacaram. O povo ficou pasmo, pois sabia que os leões estavam famintos. Muitos dos que estava na arena se converteram ao verem que aqueles homens eram protegidos pelo próprio Jesus. Então, por ordem de Diocleciano, o último imperador que perseguiu os cristãos, eles foram decapitados em 305.
 







 

Relíquias de São Januário

 
 
Alguns cristãos cheios de piedade e veneração pelo santo mártir recolheram o sangue de São Januário e coloram numa ampola para guardá-lo como relíquia preciosa. Seu corpo foi levado para a Catedral da cidade de Nápoles onde foi sepultado. Assim, a população começou a venerar São Januário como protetor contra a peste. Eles também pediam sua proteção contra as erupções do Vesúvio.
 






 

Milagres de São Januário

 
 
O maior dos milagres de São Januário é o do seu sangue, que fica em exposição na Catedral, todo dia 19 de setembro, dia da sua festa. Durante a cerimônia, quando o relicário é exposto aos fieis, seu sangue, que está sólido passa para o estado líquido, sua cor se transforma e seu volume fica com o dobro do peso. O fenômeno acontece sempre no primeiro sábado que precede o primeiro domingo de maio; no dia 19 de setembro, dia em que é festejado pela Igreja, e 16 de dezembro, aniversário da erupção do Vesúvio em 1631.
 
 

Comprovação científica

 
 
 
Em 1902, o sangue das ampolas foi examinado diante de testemunhas, a fim de se acabar com a incredulidade de muitas pessoas. O cientista que coordenou o exame, Dr. Sperindeo, declarou que, não há dúvida de que se trata de sangue humano que, uma vez coagulado, não perde o estado sólido, transformando-se em líquido por puro milagre.
O mais incrível é que a ciência ainda não conseguiu chegar a uma conclusão de como o sangue, depositado num vidro em estado sólido, de repente se torna líquido, mudando a cor e a consistência. Assim, através dos séculos, a liquefação do sangue de são Januário segue como um mistério que só mesmo a fé pode entender e explicar.
 
 

Curiosidades

 
 
 
Uma curiosidade da fé popular é que quando o fenômeno da liquefação do sangue não acontece é prenúncio de alguma desgraça futura. Pesquisadores estão estudando o fenômeno e estão tentando responder o que ocorre cientificamente com o sangue de San Gennaro. Talvez nunca encontrem uma resposta.
 
 
 

Devoção a São Januário

 
 
 
Januário é um santo de especial devoção no bairro da Mooca, na cidade de São Paulo. É, também, o santo que dá nome ao estádio do Vasco da Gama, no Rio de Janeiro (Estádio de São Januário).
 

Oração a São Januário

 
Ó Deus, Pai de Bondade, São Januário derramou o seu sangue em nome de Jesus. Animados por seu testemunho, vivamos hoje atentos aos sinais de vossas maravilhas no mundo e em nossos corações.
 
 
Amém. 








São Januário, rogai por nós!
 
 
 
 
 
 
FONTE
 
 
 
 
 
 
 
 

14 de setembro de 2017

EM 14 DE SETEMBRO CELEBRAMOS A EXALTAÇÃO DA SANTA CRUZ - SÍMBOLO MAIOR DA VITÓRIA DE JESUS.

Exaltação da Santa Cruz -
símbolo maior da vitória de Jesus
 
 
 
 
 
 
 
Enquanto a Sexta-Feira Santa é dedicada à paixão e Crucificação, a Festa da Exaltação da Santa Cruz, em 14 de Setembro, celebra a cruz como instrumento de salvação, fonte de santidade e símbolo revelador da vitória de Jesus sobre o pecado, a morte e o demônio.
 
 
 
 
 
 
Esta festa é chamada em Grego de Ὕψωσις τοῦ Τιμίου Σταυροῦ e em Latim de Exaltatio Sanctae Crucis (literalmente, "Exaltação da Santa Cruz"). Em algumas partes da Comunhão Anglicana a festa é chamada Santo Dia da Cruz, um nome também utilizado por Luteranos. A celebração é às vezes chamada Festa da Cruz Gloriosa.
 
 
No calendário litúrgico cristão há várias Festas relacionadas à Cruz, todas com a intenção de relembrar a crucificação de Jesus Cristo, evento central da fé, como diz o apóstolo São Paulo: "nós pregamos a Cristo crucificado, que é para os judeus, na verdade, uma pedra de tropeço, e para os gentios uma estultícia; mas para os que são chamados, tanto judeus como gregos, Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus."
 
 
Santo André de Creta diz: "Celebramos a festa da cruz; por ela as trevas são repelidas e volta a luz. Celebramos a festa da cruz e junto com o Crucificado somos levados para o alto para que, abandonando a terra com o pecado, obtenhamos os céus. A posse da cruz é tão grande e de tão imenso valor que seu possuidor possui um tesouro."
 
Segundo a tradição, a Vera Cruz foi descoberta em 326 por Helena de Constantinopla, mãe do Imperador Constantino I, durante peregrinação à cidade de Jerusalém. A Igreja do Santo Sepulcro foi construída no local da descoberta, por ordem de Helena e Constantino. A igreja foi dedicada nove anos após, em 335, com uma parte da cruz em exposição.
 
Em 13 de Setembro ocorreu a dedicação da igreja e a cruz foi posta em exposição no dia 14, para que os fiéis pudessem orar e venerá-la. Em 614 os persas invadiram a cidade e tomaram a cruz, que foi recuperada pelo Imperador Bizantino Heráclito em 628. Após um ano em Constantinopla, a cruz retornou ao Santo Sepulcro.
 
 
 
 
A Exaltação da Santa Cruz é a festa principal dos Cônegos Regulares da Ordem da Santa Cruz.

 
 
Nos reunimos com todos os santos, neste dia, para exaltar a Santa Cruz, que é fonte de santidade e símbolo revelador da vitória de Jesus sobre o pecado, a morte e o demônio; também na Cruz encontramos o maior sinal do amor de Deus, por isso : “Nós, porém, pregamos um Messias crucificado, escândalo para os judeus, loucura para os pagãos ” (I Cor 1,23).
 
Esta festividade está ligada à dedicação de duas importantes basílicas construídas em Jerusalém por ordem de Constantino, filho de Santa Helena. Uma, construída sobre o Monte do Gólgota e outra, no lugar em que Cristo Jesus foi sepultado e ressuscitado pelo poder de Deus. A dedicação destas duas basílicas remonta ao ano 335, quando a Santa Cruz foi exaltada ou apresentada aos fiéis. Encontrada por Santa Helena, foi roubada pelos persas e resgatada pelo imperador Heráclito.
 
Graças a Deus a Cruz está guardada na tradição e no coração de cada verdadeiro cristão, por isso neste dia, a Igreja nos convida a rezarmos: “Do Rei avança o estandarte, fulge o mistério da Cruz, onde por nós suspenso o autor da vida, Jesus. Do lado morto de Cristo, ao golpe que lhe vibravam, para lavar meu pecado o sangue e a água jorravam. Árvore esplêndida bela de rubra púrpura ornada dos santos membros tocar digna só tu foste achada”. 
“Viva Jesus! Viva a Santa Cruz!”
 
 
 
 

 
 
Santa Cruz, sede a nossa salvação!

 
 
 
 
 
 
 
 
 
FONTE
 



13 de setembro de 2017

PARA GOSTAR DE LER: A LEITURA COMO FERRAMENTA PARA CRIAR VÍNCULO ENTRE ADULTOS E CRIANÇAS.

 
 
 
 
 
Era uma vez um filme que falava sobre a importância da leitura infantil na primeira infância. Um filme sobre ler histórias. E mudar histórias. O Itaú apresenta o documentário "Para Gostar de Ler”. Assista. Entenda. Leia para uma criança.
 
 
Produzido pelo Itaú em parceria com a Pródigo Films e a agência DPZ&T, “Para Gostar de Ler” foi dirigido por Eduardo Rajabally e está disponível na íntegra no YouTube. Você pode assistir abaixo:
 
 
 
 

 
 
 
Lançado no final de agosto e disponível no YouTube, o filme mostra com exemplos reais e falas de especialistas a relação entre leitura e fantasia, imaginação, medo, cultura, família, afeto, carinho e inclusão. Fala sobre a mágica dos livros, que têm o poder de aproximar famílias, criar empatia desde os primeiros anos de vida de uma criança e até melhorar a economia do país.
 
No filme, cinco famílias, de diferentes cidades brasileiras, relatam como os livros estão inseridos em suas rotinas. A pequena Beatriz, 5 anos, descobriu por meio das histórias o que significa ser adotada. “Eu nasci da barriga de outra pessoa e também nasci no coração de minha mãe”, diz às câmeras. A mãe, Luciana, fala sobre a experiência. “Eu usei a história desse livro [O Menino que Não Nasceu da Barriga da Mãe] para explicar um pouco para ela a nossa história de vida”, conta.
 
 
 
 
Além das narrativas pessoais, o documentário traz depoimentos de profissionais de diversas áreas, como o médico e escritor Drauzio Varella, o historiador e professor da Unicamp Leandro Karnal, e a pedagoga Raquel Franzin, do Alana, que discutem, entre outros assuntos, o papel da escola no desenvolvimento do gosto pela leitura.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
APOIO NA DIVULGAÇÃO
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

7 de setembro de 2017

ALBERTO ARAÚJO & AMIGOS: "VICENTINHO” O PRIMEIRO ROMANCE DE MARIA SAMPAIO, FILHA DA ATRIZ ISADORA RIBEIRO.

 
 
 
 
O blog Alberto Araújo e amigos de hoje (07), homenageia a admirável e premiada curitibana, que mora atualmente, no Rio de Janeiro, escritora Maria Sampaio pelo lançamento do romance 'Vicentinho' publicado pela Editora Giostri, sua primeira ficção para público adulto.
 
 
 
 
MARIA SAMPAIO - ESCRITORA
 
 

Com apenas 19 anos, Maria já recebeu prêmio por contos e teve 5 crônicas publicadas em antologias da Coleção Rumos.
 
 
 
 
O livro narra uma catástrofe em plena madrugada, um motorista inconsequente e um adolescente morto. É em meio do luto de seu unigênito que Gustavo abandona no Brasil sua mulher Berenice sem aviso prévio para isolar-se em um casebre no Chile, com o intuito de escrever para uma editora sobre suas experiências. Embebido em vinho branco, o relato fica cada dia menos apresentável, e o tempo na Patagônia se prolonga. Nessa viagem espontânea, Gustavo se envolve mais que o planejado com os residentes da província e seus impulsos colocam em questão sua ética e sanidade.
 
 
Maria Sampaio - escritora
 
 
 
Maria Sampaio aos três anos de idade começou a narrar histórias que eram redigidos pela sua mãe. As leituras sempre foram objeto de curiosidade, de prazer e de questionamento. Frequentou escola que incentivava às artes. Autodidata, aprendeu diversas linguagens da arte. Estudou técnicas literárias e de roteiros. Publicou crônicas. Autografou seu livro no Teatro dos Quatro, Shopping da Gávea, no Rio de Janeiro.
Maria Sampaio participa com crônicas nos livros da coleção "Crônicas de Viagem", organizada pelo editor do Instituto Memória, o escritor Anthony Leahy.
 A autora comenta: Sempre escrevi. Não saberia precisar quando comecei a arquivar textos, seja em formato de conto, de crônicas ou de histórias maiores. Escrever sempre foi um hábito muito presente na minha vida.
Sobre sua maneira de criar textos, Maria esclareceu: “A inspiração me vem como ondas, indo e voltando, e aproveito os momentos de vinda para moldar a ideia num texto. Na maioria das vezes, não tenho ciência do final de uma história até que seja escrita. As palavras vão sendo colocadas uma a uma de acordo com o fio da inspiração, que surge das mais variadas formas. Seja de uma página de um livro, seja captando de rabo de ouvido uma conversa alheia, seja visualizando uma paisagem cotidiana. Ler o dicionário, por exemplo, é outra fonte que tende a me inspirar repentinamente.”

 
Escritora Maria Sampaio posa ao lado da mãe
Isadora Ribeiro (Foto -Divulgação)
 

 
"Geralmente quando o filho diz que deseja ser artista, os pais ficam assustados, mas a minha mãe sempre me apoiou”, resume Maria Sampaio, de 19 anos, A mãe dela é a atriz Isadora Ribeiro, que a adolescente define como muito coruja, mas que não deixa de comentar quando algo não a agrada. “Ela não tem o menor medo em falar que não gostou. Eu sei que quando ela elogia alguma coisa é de verdade”, comenta a adolescente.
O apoio da mãe começou cedo. Aos três anos, Maria narrava histórias, e Isadora as colocava no papel. Hoje em dia, porém, a atriz só tem acesso às obras da jovem quando já estão prontas. “A ideia muda durante o processo de criação, por isso só mostro depois que finalizo”, conta ela, que já teve crônicas de viagens publicadas num livro. Agora, pensa em reunir outras com temas diferentes numa mesma obra.
Atualmente, Isadora Ribeiro mora em Curitiba, e Maria vive no Rio, com a avó paterna. Segundo a adolescente, isso fez bem para a relação entre elas. “Deixamos de ter uma relação cotidiana como a tradicional entre mãe e filha e nos tratamos como amigas. É ainda melhor”, avalia ela, que faz questão de mandar mensagens todos os dias para os pais desejando bom dia. “Sei que isso faz a diferença para eles”.
Mas a influência da mãe não é o suficiente para que Maria Sampaio queira seguir a profissão da mãe, mesmo que no colégio onde estuda ela frequente aulas de teatro. “Também já fiz cursos de interpretação fora dela (da escola) também, participei de algumas peças e gostei muito da experiência, mas apenas como um hobby! Não me vejo como uma atriz profissional”, afirma.
Em “Vicentinho”, Maria Sampaio conta a história de um pai que perdeu o único filho e se isolou na Patagônia para escrever sobre a sua dor. Ela conta que fez questão de abordar um tema que fosse completamente fora de sua realidade. “Mesmo sendo uma experiência que não vivi,  como ter um filho e perdê-lo, procurei não me inspirar em nada que já exista”, diz a jovem autora.
Apesar da paixão pela literatura, ainda tem muitas dúvidas em relação ao futuro: “Penso em cursar Letras, mas também me interesso pela área de genética”. Entre os seus amigos, ela comenta, nem todos são fãs de carteirinha, mas todos apoiam. “Alguns são entusiastas, mas outros comentam que não sabem como eu consigo chegar até o final. Independente disso, tenho recebido muito carinho”, comenta Maria Sampaio.
 
Escritora Maria Sampaio ao lado da mãe Isadora Ribeiro,
em lançamento do livro Vicentinho.
 
 
Em entrevista ao site londrino "BONDE" Maria Sampaio fala do lançamento do romance.
Bonde: Maria, como surgiu o livro Vicentinho, qual foi o ponto de partida?
Eu vinha escrevendo crônicas e queria dar início a um projeto maior. Um romance inteiro. E a partir disso fui tentando encontrar uma ideia que fugisse totalmente de qualquer coisa que eu já tivesse vivido. Pensei em falar sobre uma dor gigantesca capaz de levar à loucura. E nisso, a história surgiu.
M - Como foi a criação de personagens? Você se baseou em pessoas reais?
Eu comecei criando Gustavo - o pai desolado - e com essa personalidade pronta sabia apenas que ele tinha um filho e uma esposa. Tentei enxergar esses dois últimos pelo olhar de Gustavo e a história foi sendo criada junto com os perfis de personagem. Não são inspirados em pessoas reais.
B - Você imaginou um público alvo para Vicentinho?
M - Pelas críticas e comentários que tenho recebido, é sem dúvida um livro para o público adulto. Mas eu realmente não tive esse tópico em mente durante o processo de criação.
B - Como foi a experiência de lançar um livro?
Foi um sonho realizado! Ver sua obra circulando nas mãos das pessoas, receber opiniões, ter leitores, é uma experiência totalmente diferente de ter o arquivo pronto no computador. O livro não é uma peça estática, existe agora a interação da história com o público e ter contato com isso é impagável.
B - Você lançará esse livro em outros estados do Brasil?
M - Sim! Já estamos pensando em fazer um lançamento em Curitiba e de repente em São Paulo, mas para as pessoas de outros estados o livro está disponível para compra online no site das grandes livrarias.
 

O ator Anselmo Vasconcelos recita textos
do livro Vicentinho de Maria Sampaio.

 

 
 
 
 
OUTRA OBRA DA AUTORA
 
 
 
 

 
Ornado pelos preconceitos e embates que pulverizaram a história mundial, este romance trará ao leitor uma trama emocionada, que levanta a questão de gênero no século 20. Questionando o senso comum da sociedade através das décadas, a obra trata do amor em suas diferentes facetas: entre indivíduos apaixonados, entre famílias e entre pátria.
 
 
 






FONTE:

http://www.bonde.com.br/blog/falando-de-literatura/vicentinho-o-primeiro-romance-de-maria-sampaio-filha-de-isadora-ribeiro--339234.html



4 de setembro de 2017

COLEÇÃO FOLHA DE SÃO PAULO "MULHERES NA LITERATURA". ADQUIRA EXEMPLARES!

 
 
 
 
 
Coleção Folha Mulheres na Literatura. São 30 livros de diferentes épocas e estilos com uma coisa em comum: o olhar feminino. Histórias que viraram clássicos da literatura, por escritoras como Clarice Lispector, Jane Austen, Simone de Beauvoir, Isabel Allende e muitas outras. Colecione.




 

A Coleção Folha Mulheres na Literatura engloba todas essas dimensões da produção literária, sendo mais que a soma de cada uma das partes. Não se limita à experiência feminina, tampouco se destina apenas a leitoras – que, não obstante, continuam respondendo pela maioria do público, no Brasil e no mundo.

 

Apenas R$ 19,90 cada livro. Assinantes Folha e UOL ganham 4 livros na compra da coleção completa! Você ainda pode comprar em até 10X no cartão.

 


 


FAZEM PARTE DA COLEÇÃO
 
 
 
Clarice Lispector
Emily Dickinson
Isabel Allende
Simone de Beauvoir
Virginia Woolf
Jane Austen
Jeannette Walls
Lya Luft
Herta Müller
Rachel de Queiroz
Agatha Christie
Nélida Piñon
Mary Shelley
Fannie Flagg
Madame de Lafayette
Maria Adelaide Amaral
Florbela Espanca
Françoise Sagan
Katherine Mansfield
Thays Martinez
Emily Brontë
Louisa May Alcott
Anna Gavalda
Thrity Umrigar
Alice Munro
Edith Wharton
Wendy Holden
Charlotte Brontë
Jhumpha Lahiri
Agustina Bessa-Luís 
 
 
                            
 

 
 
 
 
PARA QUEM QUER ADQUIRIR A COLEÇÃO
 
 
 
Se preferir ligue 0800 775 8080.
 
 
 
 
 
 
FONTE:
 
 
 
 

A BÍBLIA SAGRADA A PALAVRA QUE PRODUZ VIDA. HOMENAGEM DO ALBERTO ARAÚJO & AMIGOS.

 
"ANUNCIAR O EVANGELHO
E DOAR A PRÓPRIA VIDA"
(CF.1Ts 2,8)
 
 
Para que n'Ele nossos povos tenham vida
Primeira Carta aos Tessalonicenses
 
Mês da Bíblia - 2107
 

 
 
 
 
 
A Bíblia Sagrada é uma coletânea de escritos religiosos de altíssimo valor santificado para o cristianismo, em que se narram anotações religiosas do motivo da vida do homem na Terra. É considerada pelos cristãos como divinamente, inspirada, pois se trata de importante documento doutrinário.

 


 


É o livro mais vendido de todos os tempos com mais de seis bilhões de cópias em todo o mundo, uma quantidade sete vezes maior que o número de cópias do 2º colocado da lista dos livros mais vendidos, O Livro Vermelho. Há cerca de 50 anos, a Bíblia se tornou o livro mais vendido no mundo e, desde então, permanece no primeiro lugar do ranking, em vendagem de livros no mundo.


Segundo a tradição é aceita na pluralidade pelos cristãos, a Bíblia foi escrita por 40 autores, entre 1 500 a.C. e 450 a.C. (livros do Antigo Testamento) e entre 45 d.C. e 90 d.C. (livros do Novo Testamento), totalizando um período de quase 1600 anos. A maioria dos historiógrafos considera que a data dos primeiros escritos acreditados como sagrados é bem mais recente: por exemplo, enquanto a tradição cristã coloca Moisés como o autor dos primeiros cinco livros da Bíblia (Pentateuco), muitos estudiosos aceitam que foram compilados pela primeira vez apenas após o exílio babilônico, a partir de outros textos datados entre o décimo e o quarto século antes de Cristo. Muitos estudiosos também afirmam que ela foi escrita por dezenas de pessoas oriundas de diferentes regiões e nações.


 

 

Segundo uma interpretação literal do Gênesis (primeiro livro da Bíblia), o homem foi criado por Deus a partir do pó, após os céus e a terra, entre seis e oito mil anos atrás, e ganhou a vida após Deus soprar o fôlego da vida em suas narinas.

 

O apóstolo Paulo afirma que "toda a Escritura é inspirada por Deus", literalmente, "soprada por Deus" (2 Timóteo 3:16).

 

O apóstolo Pedro diz que "nenhuma profecia foi proferida pela vontade dos homens. Inspirados pelo Espírito Santo é que homens falaram em nome de Deus." (2 Pedro 1:21). O apóstolo Pedro atribui aos escritos de Paulo a mesma autoridade do Antigo Testamento: "E tende por salvação a magnanimidade de nosso Senhor; como também o nosso amado irmão Paulo vos escreveu, segundo a sabedoria que lhe foi dada; falando disto, como em todas as suas epístolas, entre as quais há pontos difíceis de entender, que os indultos e inconstantes torcem, e igualmente as outras Escrituras, para sua própria perdição" (2 Pedro 3:15-16).



 
 
 
 O Mês da Bíblia iniciou-se no Brasil em 1971 como um espaço privilegiado para aprofundar um livro ou tema bíblico. Em 2016 refletimos sobre o livro de Miqueias e em 2017 temos a oportunidade de estudar e rezar a Primeira Carta do Apóstolo Paulo aos Tessalonicenses.
 
 
 
CLICAR NA SETA PARA OUVIR
A BÍBLIA É A PALAVRA DE DEUS...